sexta-feira, 1 de abril de 2016

Timing

Eu vivo com o constante medo de que você já surgiu na minha vida e eu estava focada em outra pessoa. Tenho a impressão de que você estava naquela festa que todos os meus amigos foram, mas eu preferi ficar em casa com as minhas séries. Talvez eu conheça seu melhor amigo (e odeie), talvez você já tenha visto a minha melhor amiga (e foi afim dela). A estação onde pego o metrô pro trabalho, é seu ponto final. Nós frequentamos os mesmos bares, em dias alternados. Você estava naquela balada que eu cheguei ás 3 da manhã, e foi embora meia-noite porque estava com dor de cabeça. A sua ex fez um vídeo romântico no aniversário de namoro dos dois com a música que me faz lembrar do relacionamento abusivo que tive. Odiamos essa mesma melodia por motivos diferentes. Você entrou na cafeteria pra me procurar, querendo criar um tipo de cenário romântico clichê pra sua próxima conquista, e eu tinha ido embora pois o sistema de cartão estava fora do ar. Eu estava bem ali, entende? Perto dos seus olhos, longe das suas mãos. Faltou o timing. Sempre houveram desvios do destino. Talvez se eu não tivesse esperado meu ônibus por uma hora e vinte sete minutos. Talvez se eu tivesse seguido a minha vontade e feito algo diferente naquela noite onde você havia decidido se arriscar também. Talvez se eu não estivesse sempre sem sorrisos e ignorando todos enquanto danço. Talvez se eu não tivesse namorado um canalha. Talvez se você tivesse ido tatuar no mesmo dia que eu. Talvez eu tenha perdido tanto tempo desejando que você fosse outro alguém que nosso tempo passou e nem nos conhecemos. Ou talvez você esteja por aí, pronto pra pegar o caminho errado e finalmente cair na minha vida.