terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Eu nunca mais ouvi Los Hermanos.

Eu já fiz um milhão de coisas pra algum cara gostar de mim. Mudei cabelo, modo de vestir e até parei de usar maquiagem. Aprendi a cozinhar, e ouvi certas músicas. E foi pro você que escutei Los Hermanos. Sim, admito que já conhecia algumas músicas. Mas nada além de Anna Julia. Me fantasiei de descolada, citando trechos que ouvi no dia anterior. Andava de modo diferente, agi como você iria gostar. Nada adiantou.
Com você, alem das músicas, aprendi que não posso agir desse jeito pra sempre. Que se o meu sorriso real já não te era interessante, porque eu mudei todo o resto? Eu tentei conquistar você. Fiz seu jogo. Fui de sedutora a melhor amiga. Stalkeei seu Facebook, encarei suas ex namoradas, compartilhei cada uma das suas músicas favoritas como se fossem as minhas. E a cada atitude, me senti ainda mais longe.
Você me pediu um tempo. Tempo que teve durante todo o nosso "não-relacionamento". Cantei Sentimental sozinha, outra vez ("Eu sei, não é assim. Mas deixa eu fingir..."). Nunca pensei que gostaria do estrago, mas agora te agradeço. Não que eu tenha sido feliz cantando o que hoje já nem quero mais ouvir. Só percebi que ninguém precisa me ver na fila da pão e saber que te encontrei. Esse era apenas o começo do fim do meu sentimento por você. Não haverá avenidas ou praças, cinemas ou bares. Só um eu e um você, distantes. Separados.
Eu nunca mais ouvi aquela música sobre repousar meu amor. Pois maior que o amor foi a minha vontade de ser feliz. Agora, ando levando minha vida bem devagar, não faltando amor. Próprio. Foi você quem me afastou com golpes de pincel. E eu? Trouxe flores para mim. Encontrei um amor quando não queria, e não é clichê. Agora tenho a alegria de olhar um sorriso e o ter sempre do meu lado. Alegria de estar junto a ele, e sermos namorados.
Nós nunca mais ouvimos Los Hermanos.

quinta-feira, 11 de abril de 2013

A Lady por trás da Cortesã.

Ela te olha. Tem um "quê" de mistério por trás desse sorriso não tão enigmático. Sinto até um pouco de tristeza nesse olhar compenetrante. Você não tem a mínima noção das coisas que ela pensa, mas acha que é o básico. Sempre tão bem arrumada, você só imagina que ela se preocupa com maquiagens, bolsas e roupas. Com as unhas quase sempre bem pintadas, você pensa que, enquanto está longe, ela está escolhendo seu esmalte para o próximo encontro. Ledo engano, meu rapaz.
Por trás deste olhar provocante, existe um milhão de questões filosóficas sobre a arte. Enquanto ela ri sem vergonhas, está pensando na próxima estrofe de seu poema rotineiro. Você se perdendo em seu decote, e ela divagando sobre questões comportamentais da sua espécie. Não parece, mas tem muito mais por trás de tanta pseudo vulgaridade.
Você pensa que ela só está preocupada com sua casca, mas não percebe o quanto ela se esforça para que tenham assuntos em comum. Não sente que ela tenta achar um fio de poesia ou filosofia nas suas frases sem nexo. E que, quando você não está olhando, ela romantiza suas atitudes e espera que você ande até ela e a puxe para dançar uma valsa. Não um tango sensual, como lhe seria de praxe.
Não percebe que ela também pensa em encontrar o amor verdadeiro, trabalhar, casar, ter filhos, construir uma casinha e ser feliz com seu único, ao invés de se perder em outros braços. Sim, ela também pensa isto tudo! Mas, assim como você, ela tem um pedaço de gelo no lugar de coração pois também sofreu. Dá pra acreditar que uma mulher com tanto porte e desenvoltura teve seu amor rejeitado?
Você talvez não acredite, mas por trás desta máscara de mulher bem resolvida, jaz uma romântica das mais puras, que usa toda a sua candura fantasiada de amargura, para poder seguir firme e forte, sem cair nos buracos da vida.
Mas desculpe, meu amigo. Enquanto você se permitir acreditar na superfície das coisas, sem tentar descobrir o que há por trás de tanta maquiagem e falsa descrença no amor, você não terá a sensação de possuir uma mulher de verdade ao seu lado. Possuir sim, em todos os sentidos desta forte palavra. Ter ao seu lado por cinco minutos, ou até quando você cansar, sem nem fazer o mínimo esforço para desvendar seus segredos, não significa possuir.
Para possuir uma mulher de verdade, somente sendo um homem de verdade. Enquanto você não é, continue só a observando sumir.



quarta-feira, 10 de abril de 2013

Blitzkrieg.

Blietzkrieg - do alemão: lit "guerra relâmpago"
O sol encontrou sua pele e meu sorriso foi quase instantâneo. Difícil esconder, por mais que use minhas forças e faça qualquer coisa para mudar de assunto, a rota, o foco. Só que meus olhos ainda não aprenderam a não brilhar na sua presença, nem os meus lábios conseguem se conter, o que deixa extremamente claro coisas que escondo até de mim mesma. Sinto como se meu corpo não respondesse mais ao meu chamado. Sou toda uma rebelião. Meus sentimentos querem falar por mim.
Te vejo sentado, e a guerra interior se inicia. Meu coração e sua bomba hidráulica, e me sinto em Hiroshima. A língua enrolando, querendo me transformar numa kamikaze. Meu sorriso fácil, confessando meus crimes para o juiz que dará a sentença final. Sou um tanque de guerra, explodindo e atirando para todos os lados. Inicio uma luta contra este estado de paixão que quer se tornar independente de minhas próprias vontades. Ou melhor, minhas vontades estão querendo liberdade para tomarem rumos desconhecidos.
E eu sou a ditadora. A repressora que se mantém regrada, tentada, e calada. Esperando sempre. Tomando nota de todas as atitudes, pondo meu exército para vigiar e aguardando a certeza da conquista. Me sinto uma pecinha num tabuleiro de War, sendo comandada pelo Sr. Destino. E, pelo rolar dos dados, a sorte (ainda) está do meu lado. Me ajuda a conquistar o ocean(ia)o do teu coração?



sexta-feira, 29 de março de 2013

Teadorar.

E fez-se frio, os passarinhos pararam de me acordar com seus cantos. As folhas ainda caiam, assim como as gotas da primeira chuva da manhã. Éramos só os dois, num silêncio quase profundo. Como se o mundo inteiro houvesse decidido que, em respeito a nós, guardaria seus ruídos sujos e nos daria a pureza do silêncio mais limpo. Eu, deitada sobre teu peito, admirando os primeiros raios de sol. Você, no sono ainda mais profundo, conservava um sorriso no rosto. 
Te observei dormir por horas que se arrastaram como minutos. Sentia tua respiração e ouvia teus batimentos. O frio já não me importava, pois o calor do que tomava meu coração já era o suficiente. Dane-se trabalho, estudo. Tudo o que preciso ensinar para os meus filhos encontra-se aqui: carinho, sentimento, compreensão. As feridas que um dia estiveram expostas agora encontram-se totalmente cicatrizadas. Seu beijo foi a pomada que amenizou todas as dores que os encontros e desencontros da vida me trouxeram.
Lembro-me agora daqueles 30 segundos que foram o suficiente para quebrar a camada de gelo que eu tanto preservei. Seu sorriso era como um soco de fogo derretendo minhas angústias congeladas. Tirou minhas botas sujas com a lama do passado, e me fez colocar um vestido rendado de esperanças para o futuro. Trouxe um colorido nostálgico para o meu mundo, que se acostumou com o efeito sépia.
Você irá acordar em poucos minutos. Percebo pois já conheço o seu sono. Já me abraçou algumas vezes e me acariciou também. Deste ponto de vista, acho que nunca vi alguém tão belo. Mas isto já não me importa. A beleza que me encanta está além do que os olhos podem ver, apesar de ser tão clichê. Já disseram que é paixão, sentimento. Sei que estas fagulhas no peito junto com as borboletas no estômago são a melhor sensação que poderia sentir neste outono rigoroso. Ainda tenho todo o terreno do teu coração para conquistar, e aviso que não desistirei tão fácil.


Calopsia

"Calopsia: A ilusão de que as coisas (ou as pessoas) são mais belas do que realmente são"
Imagine uma noite fria. Pra um carioca, só imaginar uma noite em que os termômetros caem até os míseros 17º. A única coisa que tenho para me esquentar é um fino lençol, e estou sem meias. Acordo no meio da noite, dramática, dizendo que sofro de hipotermia, buscando uma posição que aqueça todo o meu corpo e eu continue confortável. Mas nada é bom o suficiente. A posição fetal estraga a minha coluna que já não é boa; deitar de bruços não me permite respirar direito; e nenhum dos ursinhos que dividem a cama comigo é quente o suficiente para o frio que sobe dos pés até o pescoço.
Então, do nada, surge um edredom quente, macio, confortável. O frio desaparece aos poucos, trazendo um calor gostoso, diminuindo meus dramas e me fazendo adormecer com um sorriso no rosto.

Saio de casa, numa manhã quente e ensolarada. Meus cabelos estão lisos, maquiagem que não é à prova d'água, blusa branca. Numa bolsa de pano, meus documentos mais importantes e nenhuma proteção contra a umidade. Verão, calor, sem previsão de chuvas. Eis que uma tempestade surge do nada, sobre a minha cabeça. Ninguém mais se molha, só eu. Eu, patética, ridícula e com o sutiã a mostra. Olhos borrados, cabelo desfeito e todos os papéis foram atingidos pela chuva torrencial. 
Do nada, sinto que volto no tempo. Não tem mais chuva, não estou molhada e estou andando como se nada tivesse acontecido. Sinto a primeira gota bem no meio da minha testa, mas um braço me puxa para dentro de um abrigo. A tempestade volta a cair, estou a salvo. Intacta.

Você trouxe a coberta perfeita para conseguir esquentar esse pequeno coração, que congela tão fácil quanto se derrete ao ver o seu sorriso. A chuva pode até cair lá fora, paralisando o trânsito, fazendo a cidade entrar em estado de emergência. Mas estou protegida, encantada, vendo faíscas saírem a cada vez que seu sorriso aparece.
Não posso nominar o que eu estou sentindo, não sei o que irá acontecer amanhã ou depois, se irei ver seu sorriso durante as próximas semanas ou se irei fugir assustada a cada encontro casual. Mas te agradeço por tanto em tão pouco tempo. E por aceitar uma dose diabética de carinho ao invés de rejeitar, como aconteceu tantas vezes antes.

Uma doce cantora conseguiu expressar tudo o que eu sinto em apenas uma canção, que obviamente você nunca ouviu e eu nunca te mostrarei pois sentiria vontade de falar abertamente "toma, é exatamente isto aqui!". Se não dou meu sorriso de bandeja, iria dar meu coração? 
Mas você já tem meu sorriso, sabe disso. E apesar de todas as minhas tentativas frustradas, sabe exatamente o que eu sinto. É o suficiente.


Limerância


“Limerence (ou limerância) é um estado cognitivo e emocional involuntário, no qual uma pessoa sente um intenso desejo romântico para com outra pessoa.”
Abri a geladeira. Perdi meus pensamentos enquanto tentava reparar em qual segundo aquela luz acende. Lembrei de você. Foquei no resto de coca-cola sem gás que guardo especialmente para a sua visita, e reparei na quantidade de chocolates que ainda não comi. Então fecho o meu reduto de pensamentos perdidos, no qual, frequentemente, armazeno comida. Está frio, dizem que faz 15º lá fora. Dentro de casa minha sensação térmica é de 3º, mas o meu coração está totalmente aquecido.
Vou pra cama, a única coisa que quero fazer é deitar e esperar as horas passarem, até o momento em que vou te ver. Mas é só fechar os olhos que te imagino ao meu lado. Na minha mente relembro nossas conversas, piadas, risadas e seu olhar tão brilhante. É como se eu não precisasse da sua presença, pois já te tenho aqui. Eu adoraria passear meus dedos pelo contorno do seu rosto, enquanto te observo dormir ao meu lado. Ou então, te ninar enquanto sua cabeça se encontra no meu colo. Te fazendo pegar no sono, enquanto balbucio palavras bobas e doces, ou piadas sem graças.
Imagino passear num campo florido, de mãos dadas, bem no início desta Primavera fria. Sentamos na grama, comemos algum doce que eu tenha feito, e declamo trechos de alguma poesia romântica que remeta o quanto eu gosto de você. Meus devaneios românticos ocorrem com uma facilidade absurda, é só colocar a cabeça no travesseiro. Você aparece na minha mente em questão de segundos, e não estou sendo dramática.
Perdoa meu romantismo abusado, que te põe em linhas mal escritas e nem pergunta se tenho permissão para isso. Desculpa se não consigo demonstrar totalmente o que sinto, ou se acabo demonstrando demais. Devo lembrar que também já sofri e perdi essa habilidade para com relacionamentos. Eu tenho dezenas de coisas para te dizer, mas não sei como. Mas não duvide do quanto eu posso gostar de você, e do quanto é bom te ver dormir. E ignore se meus textos atravessam o sinal fechado, e acabam perdendo a direção e o foco.
Juntei apenas 384 palavras pra te dizer que te gosto. E muito, rapaz!


Acalentar.

Me deixa repousar minha cabeça no teu peito e agradecer os céus pelo calor que emana do teu corpo. Me permita observar tão perto todas as cores dos teus olhos brilhantes. Me embala no teu colo, enquanto aquela música toca ao fundo. Finge aceitar os meus erros quando estou só tentando fazer o certo, mas me perco e atravesso o cruzamento perigoso. 
Porque tem o vento, a chuva, os tormentos, mas o seu sorriso traz toda a paz. Que os meus medos não se atrevam a aparecer agora. E que teu abraço seja a coberta para os dias mais frios. Esqueço minha intimidade com as palavras e transformo todo meu sentimento em analogia. Porque mesmo quando algo é inefável, ainda tento verbalizar e me perco no meio do caminho.
Escondo toda a poeira embaixo do tapete, e finjo ter um coração saudável para que você possa adentrar e não se assustar com a bagunça. Mas momento ou outro, a janela do passado se abre e você descobre meus erros e pecados. E não tenho medo. Você está vendo meu pior, e talvez isto te faça se impressionar com o melhor. Sou as duas caras da mesma moeda, esperando apenas ser jogada ao ar. Se eu tiver sorte, viro purpurina e me alojo em todas as partes do teu ser. E, como purpurina, farei o máximo para ser difícil de sair do teu coração. 


O lado princesa da Vilã.

Sou da geração Disney, me iludo fácil e sonho com o príncipe encantado. Ainda que este príncipe possa ter tatuagens, brincos, mas o mesmo sorriso que ilumina o dia e traz passarinhos para cantar na sacada de minha janela.
Sou Ariel, trocando a própria voz por pernas. Sou Bela, me aprisionando num castelo para salvar a vida de meu pai, e me apaixonando pelo ser maravilhoso que está atrás dessa casca feia. Sou Pocahontas, lutando contra o meu mundo, família e tribo, pelo amor do branco colono que poderia destruir minha terra. Sou Cinderella, indo embora na melhor hora da festa, e deixando um pequeno sapato, esperando que você vá me procurar. 
Sou uma linda princesa, que se fantasia de megera para ter seu coração protegido de dores, mas anseia pelo seu "felizes para sempre". Se trato mal, peço desculpas. O mundo me fez um tanto quanto dura, e eu não consigo descongelar meu coração tão fácil. Mas te juro, sou doce por baixo de tanto amargo. Sou apenas aquele quebra-queixo que você tanto gosta, mas reclama do quanto é difícil mastigar. Sou um começo triste com final que te enche de alegrias. Não decepciono, mas cometo erros. Te surpreendo, mas sou difícil de agradar. 
Sou a definição do tipo de pessoa que você deveria fugir, mas prendo pelo lado meigo que não consigo mais esconder. Assumo que os feitiços de bruxos malvados estão se quebrando. Assumo que minha voz está acabando, e que o que me seduz tanto é o teu interior. E enfrentarei a guerra dos mundos se for necessário.
Não quero te magoar, não quero me magoar. Pego uma das xícaras falantes e chamo o Sebastião, meu lindo siri, para uma conversa. E espero que esta conversa se estenda por muito tempo. Espero, aguardo, anseio. Mas mantenho uma mente confusa e excessivamente ativa. Penso besteiras e acabo fazendo algumas também. Mas te dou teu tempo. Sei que mesmo que não tenha um "casaram numa grande festa no reino", meu "feliz para sempre" um dia chegará.