quarta-feira, 27 de julho de 2011

101 coisas em 1001 dias.

Eu sou o tipo de pessoa que sempre adorou esses joguinhos virtuais. E se tudo der certo, volto ao Projeto 365 dias anos que vem!
Enfim, o projeto desta vez é fazer uma lista de 101 coisas que você gostaria de realizar em 1001 dias. Então eu começo hoje (27/07/2011) e tenho até 23 de abril de 2014 (aniversário do meu irmão, oi?). Será que conseguirei? Veremos!

1. Emagrecer
2. Comprar uma câmera boa.
3. Voltar a postar nos blogs no prazo de 1 mês!
4. Aprender a me maquiar melhor
5. Me esforçar mais na faculdade
6. Viajar!
7. Comer coisas mais saudáveis
8. Diminuir o refrigerante e doces.
9. Aprender a cozinhar
10. Parar com alguns preconceitos 
11. Me inscrever em algum curso (qualquer curso!)
12. Tirar um tempo para estudar (eu preciso, e eu sei disto, okay?)
13. Arranjar um lugar melhor para guardar meus esmaltes.
14. Juntar dinheiro
15. Comprar mais livros.
16. Ler os livros que eu tenho (e terei!)
17. Ser menos egoísta.
18. Sair mais com os meus afilhados.
19. Ir morar com o namorado (pode demorar mais do que 1001 dias, tá?)
20. Aprender a fotografar bem
21. Praticar mais exercícios físicos
22. Não ficar tanto tempo na internet de bobeira.
23. Pular de paraquedas ou rapel!
24. Me atrever a ir mais longe no mar (e pegar jacaré!)
25. Diminuir a quantidade de bebida alcóolica ingerida nas festas (haha!)
26. Sair pra jantar num restaurante com o namorado.
27. Ter, pelo menos, um dia no mês pra fazer coisas de mulherzinha com alguma amiga.
28. Não ser tão ciumenta.
29. Fazer, pelo menos, uma tatuagem
30. Aprender a tocar algum instrumento.
31. Conseguir perdoar algumas pessoas, e voltar a falar com elas.
32. Ter horários para dormir (e acordar, aos fins de semana)
33. Não ser tão irritada. 
34. Não gastar dinheiro que eu já não tenho (haha, boa!)
35. Começar a tomar anticoncepcional!
36. Diminuir o tamanho dos seios
37. Escrever sempre que eu sentir vontade, mesmo que seja um parágrafo.
38. Ir num show de alguma banda ou artista que eu realmente goste
39. Voltar a ir ao cinema!
40. Sair pra dançar!
41. Montar um mural com fotos de dias que foram importantes!
42. Levar minha mãe pra fora país
43. Ir buscar as minhas fotos da formatura! (eu fui, mas não existia mais o tal escritório)
44. Manter meu quarto organizado
45. Doar sangue! (eu fui, mas descobri que não posso doar sangue :/)
46. Comprar uma bolsa nova. (compro bolsas o tempo todo agora D:)
47. Comprar um vestido! (o que eu mais uso são vestidos! Uso o tempo todo <3 p="p">
48. Usar salto!
49. Ter um carro.
50. Ir a uma festa à fantasia (Gangster e Batgirl)
51. Criar uma loja online.
52. Me atrever a comer peixe (argh!)
53. Organizar um caderno de receitas!
54. Comprar um celular novo!
55. Comprar meu Nina Ricci!
56. Ter os meus filmes favoritos em dvd!
57. Adotar uma cartinha que alguma criança enviou ao Papai Noel!
58. Fazer uma super festa de aniversário
59. Criar coragem e ir patinar no gelo. (eu tenho medo, tá?!)  (duas ótimas vezes!)
60. Ir ao São Januário assistir um jogo do Vasco!
61. Conhecer, pelo menos, 5 pontos turísticos do Rio! [1/5] (Espaço Cultural da Marinha e seu Passeio Marítimo/)
62. Levar minha mãe ao show do Leoni
63. Ir num restaurante mexicano!
64. Dar mais presentes ao namorado! (O atual ganha presentes demais <3 haha="haha" p="p">
65. Comprar forminhas para cupcake e uma forma em formato de coração para bolos!
66. Ter um texto, conto ou poema publicado.
67. Passar o filtro solar regularmente (eu sempre esqueço :/)
68. Ir a Disney! (sonho de criança, haha!)
69. Aprender a dirigir
70. Aprender a atirar (não sou uma assassina o.o')
71. Ir ao teatro.
72. Fazer 50% das horas de ACC da faculdade em um ano!
73. Beber 2 litros de água por dia, por pelo menos 2 meses
74. Entrar num curso de teatro.
75. Perder a timidez de vez, e encarar o palco sem medo.
76. Dar flores ao namorado (haha!!)
77. Reaprender a ter fé
78. Assinar alguma revista ou jornal por 1 ano!
79. Pintar um quadro!
80. Ter um notebook!
81. Levar flores no túmulo da minha avó
82. Ter uma consulta com um psicólogo (que provavelmente, vai me encaminhar para um psiquiatra)
83. Arrumar um emprego ou estágio remunerado. (desde abril de 2012!)
84. Ver todos os seis filmes de Star Wars.
85. Cantar num karaokê
86. Fazer um cosplay!
87. Ensinar algo a alguém
88. Ir passar o Ano Novo na praia, acompanhada do namorado
89. Parar de ser tão "mão de vaca"
90. Ir ao cabelereiro e a manicure.
91. Aprender apenas a "respirar fundo" quando algo me tirar do sério
92. Aprender a costurar
93. Comprar uma máquina de costura
94. Viajar pra ver a famíla no Sul.
95. Mandar fazer alguma roupa que eu mesma tenha desenhado.
96. Mandar fazer alguma das roupas que vejo na internet, e mantenho a foto no pc.
97. Ver o sol se pôr 5 vezes no Arpoador [1/5]
98. Fazer depilação a laser
99. Comprar uma paleta de 120 cores.
100. Gastar um pouco mais, mas com maquiagem de qualidade.
101. Me permitir certas extravagâncias e parar de olhar sempre o preço na etiqueta :)

terça-feira, 19 de julho de 2011

A realidade sobre o virtual.

A vida seria mais fácil se alguns botões virtuais viessem para a nossa realidade. Dar um unfollow em quem insuportavelmente temos que ouvir suas historias. Bloquear quem nos enche o saco. Um print seria o suficiente para guardarmos certas cenas, como aquele pôr do sol nas pedras do Arpoador. O uso do Delete seria quase que obrigatório. E, quando algo desse errado, apertaríamos o Ctrl+Alt+Del, e recomeçaríamos sem salvar.

Todo e qualquer comentário maldoso seria enviado para a caixa de SPAM. E aquela galera insuportável teria que enviar uma solicitação para ter sua amizade. Solicitação prontamente recusada, claro.

Não podemos esquecer dos cheats. Quando precisássemos de dinheiro seria só digitar “Klapaucius” e lá estariam mil reais depositados, para serem usados sem cobranças futuras.

Teríamos diversos atalhos e não precisaríamos digitar todo o endereço para chegarmos aonde tanto gostaríamos. Sem contar que a distância não seria medida por quilômetros. Mas por bytes.

Caso o nosso desejo de consumidor estivesse ativo, seria necessário mandar imprimir e logo teríamos o produto que tanto gostamos. Sem pagar e sem esperar a boa vontade dos Correios.

Mataríamos o tédio jogando Angry Birds ou qualquer outro joguinho chato e viciante. Para chegarmos a algum lugar seria necessário ir ao Google Maps e clicar no ponto “B”. Plim! Sem atrasos, sem trânsito, sem gente que não tem noção do espaço!

As imperfeições o Photoshop iria corrigir e nem entrar na faca seria preciso. Estaríamos super perto de quem admiramos. E se ficássemos doentes, era só passar o antivírus que estaríamos bem novamente.

A história da sua vida passaria no Youtube. E quando você tirasse uma foto maravilhosa, era só clicar em "compartilhar" e todas as suas redes sociais (não tão sociais assim) teriam o link.

Nada de transfusões de sangue, coração batendo mais forte ou borboletas no estomago. Mas uma quantidade absurda de fios ligando todos os circuitos.

Nada de encontrar conhecidos pelas ruas, ver alguma cena engraçada ou histórias para contar. Tudo seria virtual, sem toques, nem esperas.

Japão seria logo ali. Seu status no Twitter seria “vou dar uma voltinha por Paris”, e lá estaria você. Sozinho. Ou então, “vou comer com os amigos”. E todos estariam com suas webcams ligadas via Skype. Você não teria que disputar lugar perto de fulano, pedir o refrigerante ou o ketchup. Vida tão agitada, vida tão solitária.

O que parecia uma solução tão boa já não é bem quista, certo? Talvez o prazer da vida seja todas as essas confusões, dores, risos e o contato de pele que só a realidade pode oferecer.

Quanto aos futuros carros voadores e teletransportes, deixem que os filmes de ficção transforme-os em pseudo-realidade.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Cigarros, bebidas e chicletes.*

* Observação: O texto é baseado em um poema homônimo que escrevi em 2006. Como tenho vergonha de publicar meus poemas, transformo-os em texto e os publico para quem quiser ler. Aprecie:

Enquanto me embebedo a ponto de dizer toda e qualquer verdade, aguardo a entrada dele por aquela porta velha do bar. Sei que é besteira pois acabamos de brigar, mas minha mente esperneia e me obriga a ficar. Desisto de rimas tão bobas enquanto acendo um cigarro e peço uma dose de vodka pura. O garçom me olha estranho enquanto diz que isto não é hora de uma garota beber sozinha. Ele nem imagina que antes do seu turno começar, o motivo para toda esta bebedeira me deixou, enquanto eu ainda lhe falava.
Pago a conta e masco um chiclete, já que o cheiro do álcool exala e afasta qualquer pessoa que se aproxima de mim, enquanto sorrio boba, segurando as lágrimas. Vou em direção ao carro e me assusto ao vê-lo me esperando. Talvez seja somente uma alucinação proveniente de todas as bebidas que ingeri. Mas não, não é uma mentira! Ele vem ao meu encontro, me toma em seus braços e me beija apaixonadamente. Ouço uma crítica boba por causa do meu paladar:
-Cigarros, bebidas e chicletes, péssima combinação!
Sorrio enquanto procuro palavras para formular alguma pergunta sobre qual é o motivo da sua presença. Ele me abraça, diz que me ama e que nunca mais me deixará.
E mais uma vez eu caio em seus braços. Mais uma vez acredito em suas palavras. Novamente me engano com a atmosfera romântica do momento, e acredito que fomos feitos para durar.

quinta-feira, 21 de abril de 2011

Conotação.

Tenho tanta coisa aqui dentro, meu amigo. Um turbilhão de pensamentos e sentimentos que desfiguram o que eu achava que já conhecia. Tenho sede de liberdade. Morro de vontade de sair voando por esse mundo, conhecer lugares, desvendar culturas, experimentar cheiros, cores e sabores que ainda não conheço. Mas finjo ser uma pessoa normal, e fico quieta.
Aproveito minha paixão por leitura, e viajo sentada enquanto leio ás palavras daqueles que conseguem seduzir todos com o seu enredo. Queria ter o poder de fazer uma rima dar certo, de conseguir me convencer que tais palavras não podem ser modificadas pois ficam perfeitas no local aonde foram postas. Mas ainda não tenho este poder. Te escrevo o que este coração sente, e a mente traduz. E, na maioria das vezes, só consigo escrever parágrafos que te cansam.
Eu não quero te provocar sono! Quero que sintas minha dor, quero que compreenda meu sentimento, que o meu amor seja muito bem compreendido. E quero que nas minhas palavras consigas se encontrar. Metade dos parágrafos que escrevo são pra você, e mesmo assim eu não alcanço aquela perfeição de escrita que convence qualquer membro da ABL de que sou boa no que faço.
Mas eu não quero fazer deste texto uma auto-crítica insuportável, mas sim uma exposição do que me passa. Por todos esses "queros, não queros" tenho vergonha do que escrevo. Sinto que, tudo o que meu dedos filtram e colocam em palavras escritas, nunca fica digno de ser divulgado, principalmente pra você.
Eu não sou poetisa, não sou escritora. Eu só encontro nas palavras a minha liberdade, e nesses vocábulos mal escritos, e que muitas vezes são mal compreendidos, expresso o que não sei demonstrar. E um dia, eu sei que conseguirei te fazer viajar, mesmo que seja por alguns segundos!

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Verdades - Parte I.

Sem preconceitos, e atitudes idiotas, me assumo conservadora. Conservadora e com um senso autocrítico nada admirável. Sou alguém que também tem medo. Que não arrisca, que não fala e que, talvez nem sinta. Sim, assumo, perco coisas maravilhosas por um simples medo. Mas este é o meu escudo contra eventuais dores. E disto, eu não sinto vergonha.
Deveria existir uma vacina contra esta tal vergonha, pílulas de sentimento e anestesia para se suportar as cicatrizes da alma. Porém, a solução de tantos problemas seja apenas uma dose de coragem todos os dias. Falta alegrias e sobra solidão. E todas essas urgências de vontades não saciadas, de palavras não proferidas e sentimentos escondidos, começam a dar sinal de vida dentro de você.
Afinal quando, como e onde, será o momento certo de agir?

sábado, 19 de março de 2011

Loucuras, aventuras e verdades.

Que meu baralho e meu dominó me perdoem, mas eu gosto mesmo é de aventura. Gosto daquilo que me amedronta. Gosto de viver intensamente, correr riscos. Ser feliz. Tenho a alma desse jeito, aventureira, louca. E não me arrependo disso! No fundo, eu quero tirar é lições de todas as minhas atitudes, sendo elas boas ou não, e não me preocupo em parecer comportada. É, eu sou assim.
De verdade, eu seria feliz sentada num sofá confortável, com os meus gatos em volta, e jogando buraco pelo menos uma vez por dia. Mas, então, eu estaria escondendo essa minha vontade de ganhar o mundo! E tem coisas, que você simplismente não pode ignorar.
Acho digno quem tem medo, quem não joga por medo de perder, e quem não bebe por medo da ressaca. Mas também acho covarde! Quem vive em cima do muro pode até ver tudo, mas nunca vai saber o que é uma partida ganha, o que é um gole de cerveja gelada naquele dia super quente. Não se precisa exagerar. Exageros são, e muito, perigosos. Mas custa arriscar?
Shows, bares, bebidas (não necessariamente alcoólicas, mas preferencialmente), pessoas, viagens, lugares, eu quero tudo isso e muito mais. Nunca vou me conformar com tanta gente satisfeita com tão pouco!
Garçon, traz outra que essa aqui já acabou!